Follow Us
  • Twitter Basic Square
  • Facebook Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • Instagram App Icon
  • Pinterest App Icon
Search By Tags

A little celebration

May 24, 2018

1/10
Please reload

Please reload

April 21, 2018

March 30, 2018

March 8, 2018

December 20, 2017

Please reload

Recent Posts

Poetry

April 8, 2015

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)

Brazilian Poet

 

In The Middle Of The Road 

"In the middle of the road there was a stone 
there was a stone in the middle of the road 
there was a stone 
in the middle of the road there was a stone. 

Never should I forget this event 
in the life of my fatigued retinas. 
Never should I forget that in the middle of the road 
there was a stone 
there was a stone in the middle of the road 
in the middle of the road there was a stone."

 

No meio do caminho

"No meio do caminho tinha uma pedra 
tinha uma pedra no meio do caminho 
tinha uma pedra 
no meio do caminho tinha uma pedra 

Nunca me esquecerei desse acontecimento 
na vida de minhas retinas tão fatigadas. 
Nunca me esquecerei que no meio do caminho 
tinha uma pedra 
tinha uma pedra no meio do caminho 
no meio do caminho tinha uma pedra."
 
 

See more in:

http://www.poemsabout.com/poet/carlos-drummond-de-andrade/page-2/

 

Other Links:

Wikipedia

Brazilian Poetry

 

 

A um ausente

 

"Tenho razão de sentir saudade,
tenho razão de te acusar.
Houve um pacto implícito que rompeste
e sem te despedires foste embora.
Detonaste o pacto.
Detonaste a vida geral, a comum aquiescência
de viver e explorar os rumos de obscuridade
sem prazo sem consulta sem provocação
até o limite das folhas caídas na hora de cair.

Antecipaste a hora.
Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo nossas horas.
Que poderias ter feito de mais grave
do que o ato sem continuação, o ato em si,
o ato que não ousamos nem sabemos ousar
porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudade de ti,
de nossa convivência em falas camaradas,
simples apertar de mãos, nem isso, voz
modulando sílabas conhecidas e banais
que eram sempre certeza e segurança.

Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque te foste."

 

 

Sorry, I wasn’t able to find this poem in English

 

Poderá ler mais poesia em:

http://www.poesiaspoemaseversos.com.br/a-um-ausente-drummond/#.VRmCPVKUCpo

 

Outros Links:

Wikipedia

Poema “A um Ausente” no YouTube

 

 

Tags:

Please reload

Featured Posts
Pictures4Us - Photos of Portugal but also of other countries

© 2013  Pictures4Us. All rights reserved

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now